TUDO SOBRE SEGUROS DE VEÍCULOS

Para quê serve o seguro do automóvel?

O seguro é usado para reduzir os prejuízos financeiros em caso de roubo e furto do veículo ou se houver um acidente envolvendo o seu carro. Dependendo da apólice contratada, o seguro indeniza os danos materiais do veículo e pessoais das vítimas, se houver – do segurado e de terceiros. A cobertura dos seguros é nacional, ou seja, abrange todo o território brasileiro. Por que preciso fazer a vistoria?

A vistoria prévia é feita pela seguradora para garantir as características e o estado de conservação do veículo antes de fechar o contrato. Se o cliente fizer alterações significativas no veículo durante a vigência do seguro, a empresa pode se recusar a pagar a indenização. O que a cobertura do seguro inclui?

A cobertura básica, também chamada de compreensiva, inclui roubo, furto, colisão, incêndio e danos por causas naturais (alagamento, tempestades, granizo, queda de árvore etc.). O cliente pode escolher também a cobertura apenas para roubo, furto e incêndio, uma opção para carros em que o custo das peças de reposição é muito caro, como importados ou antigos. Quais itens interferem no valor do seguro?

Além do perfil do segurado, que é o item que mais pesa no valor final da apólice, são considerados também dados do veículo, como modelo e ano. O valor do carro é calculado com base na tabela FIPE. Também são avaliados o custo de reparação e o índice de roubos e furtos do carro segurado. O custo de reparo é um relatório publicado anualmente pelo Cesvi Brasil (Centro de Experimentação e Segurança Viária) que mostra os veículos com menor custo e tempo de reparo. Quanto maior o risco representado pelo motorista ou pelo veículo, maior será o valor da apólice. Sendo assim, os carros mais visados pelos ladrões têm seguros mais caros.

Por que preciso fazer a vistoria?

A vistoria prévia é feita pela seguradora para garantir as características e o estado de conservação do veículo antes de fechar o contrato. Se o cliente fizer alterações significativas no veículo durante a vigência do seguro, a empresa pode se recusar a pagar a indenização.

O que a cobertura do seguro inclui?

A cobertura básica, também chamada de compreensiva, inclui roubo, furto, colisão, incêndio e danos por causas naturais (alagamento, tempestades, granizo, queda de árvore etc.). O cliente pode escolher também a cobertura apenas para roubo, furto e incêndio, uma opção para carros em que o custo das peças de reposição é muito caro, como importados ou antigos.

Quais são os serviços e benefícios normalmente inclusos nas apólices?

Muitas seguradoras oferecem no contrato de seguro compreensivo serviços extras, como assistência 24 horas, com suporte ao segurado dia e noite em caso de pane seca, elétrica ou mecânica ou ainda se houver um acidente com o veículo, com prestação de socorro, guincho ou reparo no local. Esse serviço inclui ainda chaveiro e troca de pneu.

Há, porém, outros serviços opcionais que podem ser contratados à parte, como: carro reserva, check up gratuito do veículo, desconto em estacionamentos e na compra de cadeiras infantis, motorista da vez em função da Lei Seca, serviço de leva e traz, motorista ou táxi de emergência para levar o segurado para casa em caso de acidente e hospedagem no local na impossibilidade de retorno. 

Já são comuns também serviços não relacionados ao carro, como chaveiro, eletricista, encanador, conserto de eletrodomésticos e outros tipos de reparos residenciais, ajuda de help desk para computadores, descontos em academias e em óticas e até consultas veterinárias grátis para os animais de estimação. Tudo isso, claro, é adicionado ao valor do seguro. Em geral, esses benefícios são oferecidos em um pacote fechado.

O que acontece se eu assumir a culpa em um acidente no lugar de um motorista que não tem seguro?

Ao assumir a culpa indevidamente, o segurado está cometendo uma fraude, o que pode levar a seguradora a não pagar a indenização e até a acionar o cliente judicialmente.

 

O que acontece se eu mentir no formulário do seguro?

Se você disse que o carro pernoita sempre em um estacionamento fechado, mas na verdade estaciona na rua, a seguradora pode se recusar a pagar a indenização caso o veículo seja roubado ou furtado por entender que houve má-fé do cliente.  O mesmo ocorre para todas as outras informações, como indicar um endereço no interior ou no litoral para baratear o seguro ou deixar de indicar um condutor habitual. Contudo, se foi uma ação esporádica, como um dia em que você deixou o carro estacionado na rua ou o emprestou para um amigo, a indenização será feita normalmente. A seguradora pode fazer uma investigação para saber se os dados contratados estavam corretos antes de autorizar o pagamento.

Fonte:

http://www.icarros.com.br/noticias/tudo-sobre/tudo-sobre-seguro-de-veiculos/19558.html

Seguradoras com as quais operamos

Rede